fbpx
dicas de escrita em Inglês

Dicas de escrita em inglês

Falando um pouco sobre escrita e suas peculiaridades, é sabido que há váaarias e várias formas de se expressar utilizando um idioma, e no inglês não é diferente. Quando falamos de escrita em inglês, de forma bem simplista e generalista podemos dizer que há dois tipos: uma escrita comum, mais informal e etc., aquela utilizada no dia a dia, nas redes sociais, em contextos comuns e cotidianos e aquela escrita mais formal e refinada, que se faz necessária em determinadas situações, como no ambiente acadêmico, um e-mail para o chefe, uma carta de intenção para uma universidade, um exame de proficiência, dentre outras inúmeras situações formais que nos deparamos ao longo da vida.

Uso da Voz Ativa

Quando começamos no aprendizado do Inglês, tanto no speaking quanto no writing, é interessante termos em mente que é preferível o uso da voz ativa em alguns tempos verbais, o que pelo menos para mim, no início, causava certa estranheza. A diferença é que comumente utilizamos uma forma de fala e escrita passiva em diferentes tempos verbais no PT-BR.

Em um exemplo simples, o uso de voz passiva no PT-BR pode ser visto na sentença: 

Foram feitas atualizações no software. ” Na voz ativa, poderia ficar: “Nós atualizamos o software. ” 

Da mesma forma, essa frase pode ser traduzida em voz passiva e voz ativa de várias formas, fazendo o uso de diferentes estruturas e tempos verbais. Ex:

Passive Voice:

The software was updated.

Updates were made to the software.

Com o uso da Active Voice, a frase poderia ser da seguinte maneira:

We have updated the software.

We made software updates.

Existem inúmeras outras formas de escrever essas frases em “Passive e Active Voice” utilizando os mais diferentes tempos verbais. Claro que o tema “Voz Ativa e Voz Passiva” no inglês merece todo um tópico especial, dedicado e detalhado ponto a ponto. Mas é apenas um simples exemplo, apenas para evidenciar a diferença entre Passive Voice e Active Voice.

In a nutshell (de forma resumida), trata-se apenas da forma de construção das frases. Na voz passiva o foco é no objeto em questão e na voz ativa o foco é no sujeito da ação:

The software was updated.

We made software updates.

Tendo tudo isso em mente, logo fica nítido que o uso da voz ativa é muito mais comum do que o da voz passiva. No âmbito acadêmico e em situações mais formais de escrita, é preferível o uso da voz ativa de escrita.

Uso de Sentenças Complexas

Outra dica interessante ao se fazer uma escrita mais rica, é com o uso de “palavras/sentenças conectoras” ao elaborar uma frase mais complexa. Pois demonstra domínio do vocabulário e estruturas gramaticais.

Por exemplo, quando falamos de similaridades entre coisas, geralmente usamos “both”, que normalmente vem no início da sentença. Ex:

Both snakes and alligators are cold-blooded animals. – Serpentes e jacarés são animais de sangue frio. 

Ou “Like”, que frequentemente também vem no início da frase. E logo após o seu uso e do objeto em questão, se faz necessário uma vírgula para poder completar a sentença. Ex:

Like snakes, alligators are cold-blooded animals. – Como as serpentes, os jacarés são animais de sangue frio.

*note que o “Like” é uma palavra multiuso, que em alguns contextos significa “gostar” e em outros é usado como finalidade comparativa.

Nesses dois exemplos acima, vimos sentenças simples e diretas. No entanto, tais sentenças poderiam ser melhor elaboradas, o que causa boa impressão nos avaliadores em uma redação de exame de proficiência, por exemplo, pois mostra um vocabulário mais rico. Fazer um uso mais complexo de construção de sentenças é sempre de bom tom em uma escrita mais formal.

Ainda nessa temática comparativa, utilizando o mesmo exemplo acima, podemos fazer a construção de mais de uma sentença para a mesma ideia, fazendo o uso dessas “palavras chave-conectoras”, que podem ser utilizadas tanto no sentido de concordância ou discordância entre as sentenças. Ex:

Sentença simples:

Like snakes, alligators are cold-blooded animals. – Como as serpentes, os jacarés são animais de sangue frio.

Nessa frase, temos duas informações, que serpentes possuem sangue frio e que jacarés possuem sangue frio. 

Sentença mais complexa:

Snakes are cold-blooded animals. Similarly, alligators also exhibit this characteristic.

Aqui utilizamos a palavra “conectora” Similarly, conectora no sentido de conectar o mesmo pensamento, a mesma ideia em duas sentenças, ou seja, que ambos serpentes e jacarés possuem sangue frio.

Em PT-BR a frase ficaria – Serpentes são animais de sangue frio. Da mesma forma, jacarés também apresentam essa característica. 

Assim como Similarly, várias outras palavras conectoras de ideias podem ser utilizadas nesse contexto de concordância, tais como: In comparison, Likewise, In the same path etc., uma infinidade de outras palavras que só acrescem na qualidade de construção das sentenças.

Outro ex:

In the Amazon region there are amazing animals. Similarly/Likewise/In the same path, many amazing species can also be found in Africa and Australia.

Agora, em um sentido de oposição ou mesmo de uma visão alternativa a uma ideia, também temos palavras conectoras interessantes. Ex: However, Although, Nonetheless etc.

Ex:

  1. The Amazon and the Nile are huge rivers. However, the Amazon River is larger in length, width and volume of water. – Os rios Amazonas e Nilo são enormes. No entanto, o rio Amazonas é maior em comprimento, largura e em volume de água.
  1. Several people believe in the afterlife. Although, some people disagree with that. – Várias pessoas acreditam em vida após a morte. Embora, algumas outras discordem disso.

Claro que há uma miríade de outras palavras interessantes que podem ser usadas tanto em um contexto de concordância, quanto em um contexto de oposição ou de ideia alternativa. Nesse caso, fica a gosto de cliente a escolha da palavra que mais lhe agrade hahaha. 

Quando temos diferentes ideias na mesma sentença e precisamos dar ênfase ou uma complementação na ideia principal, ao invés de usar expressões / sentenças como:

On top of it all: Além de tudo / acima de tudo…

To top it off all: Complementando/ pra completar…

Podemos também fazer o uso de algumas “palavras conectoras” mais formais, como: Furthermore, Moreover, Besides.

Ex: Cats in general are nicer pets than dogs. On top of it all, they are more independent.

Cats in general are nicer pets than dogs. Furthermore/Moreover/Besides, they are more independent.

Em PT-BR – Gatos geralmente são pets mais legais que cães. Além disso, eles são mais independentes.

Percebam que o significado é o mesmo, mas a formalidade de escrita é diferente.

Abreviações e Contrações

Para uma escrita em um nível acadêmico, para um teste Ielts, um texto universitário etc., uma escrita mais formal se faz necessária, contrações como can’t, it’s, they’re, don’t não são bem vistas.

Como bem exemplifica o meme: 

C:\Users\user\AppData\Local\Microsoft\Windows\INetCache\Content.Word\classical-art-mes-cant-i-cannot-i-do-not-currently-64218594.png

Hahahahaha brincadeiras de lado, sempre prefira o uso integral das palavras ao escrever um texto, não use abreviações, e sempre que possível, faça o uso de uma escrita complexa.

Expressões idiomáticas, também não são muito comuns em escritas formais/acadêmicas. Expressões como:

To kill two birds with one stone. / Equivalente a – Matar dois coelhos com uma paulada só (em PT-BR).

Once in a red moon – Raramente –  De vez em nunca. 

Dentre outros exemplos.

Embora saibamos, que uma língua/idioma é algo mutável e vivo, ou seja, está a todo momento se adaptando, muitas e novas palavras vão surgindo, ao mesmo passo que palavras já consolidadas passam a ter outros significados dentro de diferentes contextos, como o uso de Gírias / Slangs e abreviações, todas essas variantes não formais não são comuns em uma escrita refinada. Ex: Abreviações

B4 u go – Before you go.

Btw – By the way.

IDK ou dunno – I do not know.

Asap – As soon as possible.

Dentre outras.

Com relação aos Phrasal Verbs (um verbo juntamente com uma preposição ou advérbio), embora não haja tanto problema assim, são outro exemplo de escrita não muito comum na escrita acadêmica, sempre vemos o “feijão com arroz”, uma escrita convencional, porém elegante. No entanto, preferencialmente utilizamos “fullwords” palavras maiores e que contém o mesmo significado.

Ex: O Phrasal Verb Get away / Getting away: escapar/ fugir / escapando –  que é facilmente substituído por “Scaping. ”, como no paper abaixo.

Escapando da armadilha evolutiva? Rotatividade de cromossomos sexuais em Basiliscos e em grupos relacionados de lagartos.

Em alguns casos, devemos tomar cuidado com palavras similares em pronúncia e escrita, mas com significados diferentes que podem nos enganar, como por exemplo o phrasal verb “turn over”, que de forma separada significa virar e o substantivo “turnover” que significa rotatividade / mudança frequente.

Mudanças repentinas de cromossomos sexuais em mariposas da diversa Superfamília Gelechioidea.

Com o passar do tempo e uso frequente de ambos contextos formais e informais do idioma, conseguimos lidar com isso de forma mais natural. No meu caso, sempre considerei minha parte escrita melhor em comparação as outras “english skills”. No entanto, é quando nos sentimos confortáveis com o uso desses diferentes contextos que nos acomodamos no sentido de qualidade. E de certa forma é natural do ser humano, não há problema algum nisso, mas é nesse momento que devemos sempre estar atentos e sempre tentar nos melhorar. Improve yourself all the time!!!

Como cientista, digo que ser crítico com tudo é parte natural do processo. Como diz um amigo meu “There is always room for improvement.”, e é verdade.

Ao longo do meu processo de formação acadêmica e mesmo já tendo mais de 20 papers publicados essencialmente em inglês, em periódicos internacionais e peer reviewed, percebi que sempre há espaço para melhora.

Recentemente, tive um trabalho avaliado por um pesquisador de Havard, e nos seus comentários, uma frase me chamou atenção:

“The writing is not bad, I understand what is being said. But it is not elegant. The writing needs to be woven together in a compelling and elegant narrative.”

PT-BR  – A escrita não é ruim, eu entendo o que está sendo dito, mas não está elegante. A escrita precisa ser envolvida em uma narrativa atraente e elegante.

E isso, só destacou ainda mais o quão importante é o uso de uma escrita formal em determinadas ocasiões. Ou seja, devemos a todo momento estar tentando melhorar a nós mesmos. 🙂

All my best!!! 🙂

Pétrik

1 comentário em “Dicas de escrita em inglês”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *